quinta-feira, 22 de março de 2012

Honi soit qui mal y pense.


Cá por mim por vias de dúvida, para demonstrar a pequenez de um Sagui, que "salvei" quando estivemos no Dange, “à falta de fita métrica” utilizei a Carica de uma Cuca ou Nocal, para termo de comparação.

Pelos vistos, este animal “meia léca”, por várias vezes surripiava o pãozinho "com manteiga" de um dos nossos, que todas as manhãs fazia com amor e carinho para o seu pequeno-almoço. Inesperadamente como que por artes mágicas, a partir de certa altura começou a desaparecer.
Desconfiando que era brincadeira dos camaradas, “passou à escuta”, deixando propositada e ostensivamente as “fatias de pão” sobre a mesa. Aguardou aguardou e... Descobriu afinal, que “com a mata cerrada dos Dembos, a escassos metros de distância do local do crime”, o contraventor era “nem mais nem menos” que este pequeno macaquinho. Deu-lhe uma valente surra e (segundo disse…) quando o libertou, desapareceu-lhe das mãos e nunca mais lhe pôs a vista em cima.


Na manhã chuvosa e fria do dia seguinte, ao atravessar de novo a ponte do rio Dange de regresso à minha tenda, após ter ido tomar o pequeno almoço na outra margem, por sorte encontrei-o numa das muitas reentrâncias "feitas pelas chuvas" existentes no socalco onde residíamos, todo molhado, assustado e tremendo de frio. Com alguma paciência à mistura, e à custa de muitos “miminhos”, acabei por o conquistar, e assim ganhei um amigo. Como reparas, obediente e sem trela, deixou-se fotografar para a posteridade. Mas, sem a lambarice matinal a que se habitou, começou a ficar arredio, deixando a certa altura de aparecer.

Daqui lhe faço um apelo que vem mesmo a calhar: Amigo, se um dia leres esta história, lembro-te que à medida que vou conhecendo as pessoas, cada vez gosto mais de ti.


5 comentários:

  1. isso é que era, o chamado Mau-Hálito a que o brasileiros chamam: Bafo de Bode

    ResponderEliminar
  2. desta vez, "safei" o Alentejano do pára-brisas

    ResponderEliminar
  3. para quem conhece a história como eu, isto fez-me lembrar a "grande amizade" existente no grande filme (West Side Story) cujo nome traduzido para português foi (Amor Sem Barreiras).

    ResponderEliminar
  4. No meu Mail, todos os anónimos aparecem de igual modo (Anónimo "noreply-comment@blogger.com") carregando neste e_mail, não vou a lado nenhum. Ou eu não sei mexer nisto “o que é o mais provavel” ou não entendo. Se alguém sabe como descobrir o incógnito, agradeço que me explique.

    Mas defacto este anónimo foi especial: Escreveu quase às 5 da matina, demonstrando ser um notívago tal como eu, e ainda por cima no dia 11 de setembro falando de um filme rodado na América.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/West_Side_Story

    A minha Rosa Augusta, sabendo que foi um filme que gostei muito quando “há bué de tempo” o vi num cinema que não recordo, tal como fez no dia de natal de há dois anos oferecendo-me a colecção completa dos filmes do Allô Allô, no do ano passado ofereceu-me “nada mais nada menos” que o filme West Side Story, numa edição especial, comemorando o 50º aniversário.

    Sem saber, quando “desembrulhei o pacote” verifiquei que se o tivesse recebido uns meses antes, “estava feito ao bife” pois não o podia visionar, porque é uma gravação em Blu-ray. Por sorte, tinha oferecido a mim mesmo, um leitor “disso mesmo” sendo portanto esse filme, que tirou os “2+1” ao aparelho quanto ao Blu-ray.

    No momento que li o comentário deste anónimo, recordei-me do filme. E é este agora, o causador de um reboliço inesperado, pois já revirei a casa do avesso e não encontro onde o “arquivei”. Estará no BAIXATOLA’s BAR? Só bendu…
    E pronto, esta é mais uma história da minha vida.

    Quanto à “gracinha” do Apimentado: tem cuidado, vê lá se te cai um dentinho.

    ResponderEliminar