domingo, 21 de fevereiro de 2016

A Arte "e" alguns animais (Actualizado)


Dedicado aos Camaradas da Companhia 1782
e ao Pelotão da 1781, "ambos os dois" recém-chegados ao nosso Blogue.
No seguimento e a talhe de foice, para que recordem,
aqui vão fotos dos "animais" existentes na altura da vossa passagem pelas nossas
instalações do Grafanil.


Não significando o "fim da macacada"
termino com a foto deste meu amigo Sagui, habitante das matas do Dange, e protagonista de uma história já aqui contada.



A carica, serve só para demonstrar a sua pequenez
(Quem bebeu a cerveja, não foi ele)


E agora, a "Arte do Pincel"

(do Furriel Chichorro)

(do Furriel Lyra)




(do Furriel Giga)



Foto do BARzinho da 2504, no Grafanil
(a traseira deste quadro estava pintada de branco, para servir de "ecran" na projecção de Slides) 


E já que os meus slides que registavam a minha fraca habilidade,
guardados separadamente para não se perderem... Se perderam
***
40 anos depois "para não destoar", podes carregar na figura abaixo,
para veres também algumas pinceladas do Furriel Pimenta


(e acabo de descobrir este video do Furriel Giga Coelho)
O Grande "Mestre Giga" de chapéu e cachimbo
mas "confessou-me" que há dois meses deixou de fumar
(força que consegues)


( Rebusquei no fundo do meu Baú, e... )
 

Ao fundo, a bandeira a meio-pau na parada do Grafanil, no dia que o Salazar bateu as botas.
Mas em primeiro plano: vemos o Giga "consternado" com o sucedido.


( Aqui, o Giga armado, armado em Cowboy )
 


Camarada: Se viste este pequeno filme do atelier do Giga, e entre tachos e panelas reparaste nas duas “boxes” existentes no cimo da mesa, não sejas “venenoso”. Estás errado se pensas que os mesmos, armazenam uma reles pinga alentejana. 


Assim como há mais de 40 anos, o Chichorro lavava os seus pinceis numa garrafa vazia de cerveja com aguarrás petróleo ou algo parecido. Também o Giga hoje em dia “tal como se faz na máquina da roupa” lava os pinceis, em vasilhas separadas. Depende da tinta “se clara ou escura”.

Porque conheço o atelier e melhor ainda o artista, era capaz de jurar que a cor escura no “barril” de cima, ou a clara no de baixo, e que jorram das torneirinhas quando se abrem, não será branco nem tinto, mas sim pitróis distintos de boa cepa, capazes de lavar ou subir o pincél.

Lembro o leitor que não há muito tempo, Eu Pimenta, e o Furriel Temudo da 2506, fizemos uma visita de cortesia ao atelier deste alentejano de Borba. Além da boa qualidade das suas pinturas e esculturas,  saliento a magnífica localização do atelier que nos proporciona uma paisagem magnífica. Porque não conseguimos nesse dia dizimar a totalidade do belo petisco apresentado, ficou apalavrado uma nova incursão.

Relembro que podem e devem Comentar aqui no Blogue
a que vos apraz dizer, ou enviar para o mail:

 

Sem comentários:

Enviar um comentário