segunda-feira, 14 de maio de 2018

A Nota Infeliz...

ERA UMA VEZ...

Um vosso Camarada, que por acaso até sou Eu "Manuel Pimenta", que tinha e tem, em sua posse "há quase uma dezena de anos", um (Dossier) de nome:
(HISTÓRIA DA UNIDADE)

Trata-se de um Livro "Histórico" que conta a nossa guerra com minúcia. 

Todas as folhas
(em cima e em baixo) tem bem visíveis, o carimbo (RESERVADO).

(A capa)

Ao longo dos anos nunca nos separamos, tendo sido guardado religiosamente. Já alguns tiveram o privilégio de lhe dar uma vista de olhos, avivando assim recordações da nossa guerra.

Não era segredo, pois desde há muito que dei conhecimento da sua existência ao pessoal da minha Companhia, e outros em que confio.

Só conhecia duas pessoas que possuíam este documento "histórico".

Eu e o Amigo que o ofereceu.

(Mas concerteza que muitos mais existirão. Penso Eu de que)
Não serei assim tão bonito. Outros Existem bem mais bonitões.

Baseado na confiança e amizade, e sabendo da minúcia na escrita dos factos que o camarada Furriel Temudo usa nos seus escritos, lembrei-me de lho emprestar para que visse relatos e datas precisas das diversas ocorrências... ocorridas.
Achou interesse e pediu autorização para tirar umas quantas cópias. Acedi na parte que diz respeito à sua Companhia (2506) recomendando-lhe contenção na sua divulgação, dado "como atrás se disse" tratar-se de um documento de conteúdo RESERVADO.

Hoje acho que essa contenção, nao foi lá muito contida,
mas Ele é que sabe.

Com surpresa, descobriu-se o nome completo de um camarada da sua Companhia, do qual perderam o rasto. Todos os esforços encetados ao longo dos anos para o encontrar foram infrutíferos, dado a exiguidade do nome. De apelido NUNES nós por cá, somos mais que muitos.

Felizmente que o meu gesto de emprestar o livro "inadvertidamente" foi valioso.

Na pág.21 do livro, com o título
(MOVIMENTO VERIFICADO ATÉ 31AGO69)

No Item dos ABATES, e imediatamente abaixo da triste informação de que no dia 20 de Junho de 1969 faleceu em combate o
Soldado X - nº 12164868 da 2505,
estava o nome completo do ex-camarada Nunes que tanto "trabalho" dera para descobrir.

(Angelino Maria Nunes)

Na posse do nome completo, foi "segundo sei" relativamente fácil e em poucos dias descobrir-se o paradeiro deste camarada do nosso Batalhão.

Ausente por ter sido evacuado para Lisboa “como se verifica”, descobriu-se que felizmente sobrevivera a tal acidente, principalmente para “alívio” do camarada que sem querer, terá "baldeado" os tripulantes da viatura.

A notícia de "tal achado" foi-me de imediato transmitida pelo Temudo, e pela parte que me toca fiquei feliz. Colaborei afinal "sem saber" quase 50 anos depois, para que o Nunes fosse descoberto.

Lembro que lhe disse: Não te esqueças, que quando divulgarem no vosso blogue esta notícia, REFIRAM QUE FOI GRAÇAS AO PIMENTA "e seu gesto inadvertido" QUE TAL DESCOBERTA ACONTECEU.

Respondeu:  Concerteza que tal vai ser feito.
E sei que deu conhecimento disso ao gestor do dito.

Seguiu-se uma troca de e-mails simpáticos comigo, com diversos camaradas da 2506, que satisfeitos com a descoberta, por ter no livro, a chave que deslindou o quase mistério.
Até lá pensava-se. O NUNES, estaria vivo, estaria morto?.

Felizmente que está vivo e bem vivo. Reside no Concelho de Almeirim e pelos vistos, é um dos donos da
TASCA DO PIÇO


As únicas Fotos que me foram enviadas (Antes do pacto) que agradeço ao Camarada BOAVISTA

Reconhecido e na boa-fé, fui convidado pelo Furriel Temudo "e não só" para me incluir na 1ª visita surpresa ao "ENCONTRADO". Mesmo não sendo da minha Companhia, aceitei com todo o prazer.

Desde logo ficou combinado que para levarmos só um carro, o trio Temudo, Boavista e Pimenta iriam num só. Sugeriu que seria o seu, mas "porque ultimamente costumo enjoar nas viagens como pendura" ficou combinado que seria Eu a levar o meu.

Previamente atestei o dito, e fiquei "no dia seguinte" de ir buscar o Temudo a casa, e no trajecto embarcarmos o Boavista que nos esperaria no Fórum do Montijo.
Mas tal não aconteceu dado que à última hora a viagem ficou sem efeito.

O Camarada Nunes tinha "nesse dia" de fazer um exame médico.

A nova data escolhida coincidiu "infelizmente" com a de um meu compromisso previamente confirmado, (dei conhecimento) e por causa disso acabei por não ir.

Porque pelos vistos, o Temudo e o Boavista madrugaram e "também por estarem mais perto" foram os primeiros a chegar à Tasca do Piço.
Para eternizar o primeiro contacto com o "ENCONTRADO" alguém tirou a histórica foto.

O Temudo "contente, imagino eu" de imediato (ainda o resto do pessoal vinha a caminho) divulgou-a aos amigos, nomeadamente a mim e ao camarada Fernando Santos.

Ora como Eu  já tinha imaginado fazer uma postagem no nosso Blogue dando conhecimento deste facto, guardei-a para esta altura.

Mas o amigo Santos não. Pelos vistos divulgou-a de imediato no Facebook "coisa que não tenho, nem quero ter".
E pelo que sei....
Azar o dele e do Temudo

(A foto da discórdia)

Foram acusados de terem boicotado, "um estranho compromisso no meu entender”, que pelos vistos foi assumido horas depois da divulgação da foto.

Mas como costumo dizer:
 (ELES QUE SÃO BRANCOS; QUE SE ENTENDAM)
Cada um sabe de si.

Tal como já me aconteceu certo dia, fui considerado o "Kilas, o mau da fita", pelos vistos não aprendi a lição.
Pelo silêncio ensurdecedor que se faz sentir agora, precinto que (espero que não) mais dia, menos dia, a coisa uma vez mais, ainda vai sobrar pra mim.
Eis a Nota infeliz: anunciada no final da anterior postagem.

Tem muito a ver com a minha saúde visual. Porque acredito no Temudo, sabendo que insistiu para que tal acontecesse, descubro que por mais que me esforce e limpe as lentes dos óculos, não consigo ver no blogue, honrado o compromisso assumido.
"Referirem o Meu Nome, aquando da notícia do Nunes"

A única coisa que sei "através das minhas toupeiras" é que alguém ficou "piurso" por Eu possuir tal documento, e quem de “direito?!!”, não o ter.

(VOU PENSAR NISSO)

UM ÀPARTE:

Conheci na Siderurgia Nacional onde trabalhei, um Senhor "já com certa idade, provavelmente hoje desaparecido", funcionário da secretaria da Divisão de Energia e Fluidos (ENF).

Era o apontador "Sr. José Ferreira". Uma jóia de homem, brincalhão quanto baste. Quando a chefia estava ausente, as suas gargalhadas estridentes ecoavam pelo edifício a toda a hora.

Dada a idade e a simpatia que emanava, toda a rapaziada gostava dele. Aqueles "que iam a cavalo" e que o conheciam, quando se cruzavam com Ele a pé, paravam e convidavam-no a entrar.

Nunca se fazendo rogado, aceitava a boleia de bom grado.
No destino o Sr. Zé Ferreira depois de dar o seu show na viagem,
agradecia inequivocamente a boleia e saía com alguma dificuldade derivada a um problema físico.

Apeado, e já ligeiramente afastado, "era costume" o Sr. Zé virar-se de repente e no momento que o "benemérito" arrancava com o carro, batia-lhe na janela. Surpresos e porque "o víamos com ar aflito" rapidamente abriam a porta ou janela.

Na maior safadeza e sorridente. O nosso amigo, costumava dizer:
Agora meta o carro no cú.

E qual a razão desta estória? Pergunta o leitor...
É Simples. O meu amigo Temudo, fez-me lembrar esta passagem, quando lhe perguntei por sms há dias, quantas cópias tirou do livro.
Respondeu-me, mais ou menos “assim”:

Tenho pena de dizer isto, mas o teu livro foi um
autêntico "fiasco".
Aliás não fiquei admirado ...
… … … … … … … …
… … … … … … … …
... Para mim, o livro não serviu para nada,
exceptuando saber o nome do NUNES...
etc etc etc.

Reconheçamos que tive sorte, pois não terminou o sms, como  estaríamos  a imaginar.
Hehehehe

O meu azar, é que "por enquanto" gosto Dele.


Pronto Camarada da 2504

É tudo o que me apraz dizer a respeito do meu "daqui a pouco", condenável gesto.

"Peço desculpas ao NUNES", mas quase dá vontade de dizer: Se soubesse o que sei hoje, pelos vistos o Camarada “infelizmente” talvez ainda hoje estivesse, na situação de
(DESAPARECIDO EM COMBATE)

.Um Abraço para si, com muita saúde.

.

7 comentários:

  1. Mas ... sobre a História do Batalhão, com matéria reservada - que não prescreve -, estar nas mãos de alguém é minha opinião que, em tese, das duas, uma: ou a sua obtenção foi feita de forma ilícita (o que julgo não ter acontecido) e aí a divulgação do seu conteúdo é abusiva e viola aspectos deontológicos e, quiçá, até matéria punível por Lei; ou, segunda hipótese, tudo foi feito com lisura e legalmente e, então, assim sendo, o conteúdo deverá ser do conhecimento de todos os Camaradas do Batalhão, nomeadamente assuntos das respectivas Companhias, sem carecer da autorização de ninguém. Deveria ser público, não só para todos os Camaradas reterem a trajectória da sua Guerra, os seus familiares, os seus amigos e a população em geral para enriquecimento da verdadeira História do que foi a Guerra do Ultramar. Dou este assunto por terminado e não voltarei a abordá-lo. Abraço fraterno, sem distinção de ninguém.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há camaradas que acham que têm o direito de possuir aquilo que é pertença de outros, mas aquilo que dispõem, não estão disponíveis para torná-lo público e do conhecimento de todos. Senão vejamos o texto acima:

      Pelos vistos o que possuem ainda é mais "reservado" do que aquilo que pretendem que seja tornado público.

      Como diz o galego: Cantas bien, pero no me alegras

      Fico à espera, mas sentado para não me cansar, que me remetam aquilo que têm em seu poder, tal como eu fiz ...



      Eliminar
    2. REFIRO-ME CONCRETAMENTE ÀQUILO QUE (que Eu saiba) NINGUÉM SABE, que "há meses e meses" alguém detém (ou retém), e que o Comandante do nosso Batalhão supostamente lhe confiou.

      - De barriga cheia, agora é fácil "amandar bitaites".

      UM ESCLARECIMENTO: Foi exactamente por o livro conter matéria militar "nossa", que o emprestei ao Camarada Temudo, ex-militar "nosso", e permiti que o divulgasse a ex-militares "nossos".

      Eliminar
  2. Manuel Jesus Freitas15 de maio de 2018 às 16:37

    Amigos: Li tudo o que foi escrito pelo amigo Pimenta, e só me resta dizer: Esquecer mal entendidos protagonizados por um mero acaso, numa situação especial, em que todos deveriam sentirem-se contentes, perante os resultados reconhecidamente alcançados, também é uma grande virtude. Sabe bem por vezes ganhar-se algo que nos dá alguma satisfação. Mas perder algo que tanto custou a cimentar, da-nos uma imensa sensação de tristeza. E de momento nada mais acrescento. Um abraço de sincera amizade para todos

    ResponderEliminar
  3. Temudo: Não metas mais nada a este respeito aqui no Blogue, porque sei tudo o que vocês escrevem. Apaguei porque o paste/copy enviado, já foi por vocês,lido e relido.
    O que devias era “DESCODIFICAR” a todo o pessoal "Eu incluído", aquilo que o Mota chama de inverdades, e Eu de mentiras.
    (Carlos Jorge Mota… Na narração no Blogue estão citadas inverdades de cuja responsabilidade desconheço. O que me foi transmitido colide com o relatado.)
    Qual foi afinal o relatado que lhe disseste, que colide com tudo o que escrevi? É que Eu desconheço. Tenho a certeza do que disse ou do que não disse.
    Lamento é que o Mota ao ler o que tenho escrito à cerca do não citar o meu nome na descoberta do Nunes, não se tenha dado ao incómodo de me perguntar o que quer que seja. Mas deixa... ESQUECE.
    Como Ele, também dou este assunto terminado e não voltarei a abordá-lo. Abraço fraterno, sem distinção de ninguém.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já agora para terminar:
      Quando quiserem enviar algum comentário para este Blogue, aconselho-te que sejas Curto e grosso. Nada de longos “romances” a ainda por cima, com continuação…
      Eis já um exemplo que te dou: “DEZARISCA” o Meu nome, do próximo “E mais que houver” Convívios. Voçês agradecerão. Pois mais vale só, que mal acompanhado. Para alívio dalguns, ACABOU.
      Podem agora comentar no Facebook, tudo o que vos apraz.

      Eliminar